Física2100
Olá visitante!

Por favor, faça login ou crie uma conta se ainda não estiver registado.

Ação fantasmagórica à distância é dez mil vezes mais rápida que a luz

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Ação fantasmagórica à distância é dez mil vezes mais rápida que a luz

Mensagem por Jonas Paulo Negreiros em 4th Dezembro 2015, 08:25

Física, Educação Física e Informática.

Não é novidade para ninguém que a informática é uma ciência poderosa e concentradora.

A ciência da computação desponta sua meteórica carreira em tempos de guerra: auxilia os contendores a decifrar mensagens em códigos secretos e calcular trajetórias de projéteis.

As aplicações tecnológicas de hoje evidenciam o estágio em que se encontra esse campo de conhecimento.

Recentemente, cientistas holandeses declaram ao mundo uma proeza assombrosa:

"Einstein Estava Errado, Confirmada Ação 'Fantasmagórica' Quântica"

enlace:

http://conhecimentohoje.com.br/Recentes856_frames.htm

É certo que, como argumentam os relativistas ortodoxos, isso pode ser apenas fogo de palha.

Mas há também relativistas que aceitam sem grande relutância a possibilidade da informação viajar muito acima da velocidade da luz.

Informação não tem massa, não se submete às leis relativistas.

Informática na Educação Física

Se assim for, passemos a influência da informática para o campo da Educação Física.

Atletas são seres que possuem corpos, logo estão enquadrados nas limitações da física, como a massa inercial, por exemplo.

Um grupo de onze atletas pode assumir funções diferentes dentro de um jogo de futebol. Basta que conheçam as regras, isto é: recebam instruções sobre o esporte bretão e passem por um treinamento adequado para cada função do jogo. Bem ou mal, esse grupo estará em condições de participar de uma partida de futebol.

Física de Partículas

Se partículas podem "mudar suas atitudes" instantaneamente, ao receber e processar informações imateriais, poderemos criar uma infinidade de novos modelos cosmológicos calcados nessa "particularidade".

Se as informações não têm massa e têm superpoderes, elas não precisam obedecer o limite de velocidade imposto pela Relatividade.

Na prática, qualquer modelo cosmológico que fizer uso da ciência da computação remeterá as "regras do bom velhinho" às favas...

 lol!

_________________
Gráviton, onde tu estás que não te encontro Razz ?
avatar
Jonas Paulo Negreiros
Físico Profissional
Físico Profissional

Mensagens : 1758
Idade : 63
Localização : Jundiaí, São Paulo - Brasil

http://sbtvd.anadigi.zip.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ação fantasmagórica à distância é dez mil vezes mais rápida que a luz

Mensagem por Jonas Paulo Negreiros em 6th Dezembro 2015, 10:41

Jonas Paulo Negreiros escreveu:Mais explicações...

A MECÂNICA QUÂNTICA FICOU AINDA MAIS “ASSUSTADORA”

Física 31 de agosto de 2015  

Lucas


Os físicos confirmaram que partículas distantes realmente podem influenciar umas às outras e agir de forma estranha que não pode ser explicada pelo senso comum ou, na sua maior parte, pelas leis da física tradicionais.

Esse comportamento bizarro é conhecido como entrelaçamento, ou emaranhamento quântico, e apesar de muitas experiências mostrarem que ele existe, esta é a primeira vez que foi demonstrado com um teste livre de brechas, provando que Albert Einstein (que definia esse comportamento como “assustador”) estava errado sobre a mecânica quântica.



De acordo com a teoria quântica, a natureza de uma partícula não existe até que ela seja medida, o que significa que ela apenas existe em um estado de superposição até que alguém decida observar. As partículas também podem ser entrelaçadas, o que significa que elas estão intimamente ligadas entre si não importa a distância que as separem – se o estado da partícula A, localizada do outro lado do universo, for alterado, o estado da partícula B, aqui na Terra, também será, instantaneamente.

Então isso significa que quando você mede uma partícula, você não só está determinando a sua natureza naquele momento, você também está definindo a natureza da sua parceira emaranhada. É por esta razão que Einstein, e muitos outros físicos, duvidaram da existência do emaranhamento quântico, porque essencialmente significa que a informação passa entre as duas partículas emaranhadas muito mais rápido do que a velocidade da luz – possivelmente em uma velocidade infinita.

Este último experimento envolveu físicos da Holanda, Reino Unido e Espanha, que emaranharam pares de elétrons separados por uma distância de 1,3 km. Liderados pelo pesquisador B. Hensen da Delft University of Technology, na Holanda, a equipe mediu um dos elétrons enquanto um grupo observava imediatamente se seu parceiro era afetado.



Este é conhecido como “experimento Bell”, concebido na década de 1960 pelo físico irlandês John Bell para testar se havia uma explicação mais sensata para o emaranhamento. Segundo a visão racional do mundo, depois de uma certa distância, a correlação deve deixar de existir conforme as partículas estão muito longe para se comunicar umas com as outras. Mas de acordo com a teoria quântica, não há limite de distância.

Ao longo dos últimos 30 anos, a experiência de Bell foi tentada muitas vezes, sempre mostrando que a teoria quântica é real. Mas em todos esses experimentos havia lacunas – em geral o fato de que a maioria dos pesquisadores emaranhava os fótons, mas não conseguia medir devido à sua natureza super-rápida, tornando os resultados inconclusivos .

Em uma tentativa de fechar essa lacuna, muitos físicos usaram íons emaranhados em vez de fótons. Mas isso abria outra lacuna, porque estes íons não ficavam suficientemente afastados, abrindo a possibilidade de que a comunicação era feita em uma velocidade menor que a da luz.

O novo experimento conseguiu fechar essas brechas combinando os benefícios de fótons com elétrons, que são mais fáceis de medir. Para fazer isso, a equipe emaranhou o spin de dois elétrons com dois fótons diferentes. Esses dois elétrons estavam localizados em laboratórios separados por 1,3 km, enquanto os fótons foram enviados para um terceiro local e, em seguida, emaranhados em separado com os outros.

Assim que os fótons são emaranhados, bingo, os dois elétrons originais giram, mesmo em laboratórios muito distantes. A equipe realizou 245 testes do experimento, comparando elétrons entrelaçados e relatam que o limite de Bell é violado, e mostrando uma das raras vezes que Einstein estava errado.

O experimento também é um enorme passo para a criptografia quântica, que é um sistema de segurança hipoteticamente impossível de ser violado, uma vez que depende de partículas emaranhadas para verificação. [ScienceAlert]

fonte:
http://misteriosdomundo.org/a-mecanica-quantica-ficou-ainda-mais-assustadora/

O experimento dos holandeses, se aceito, resgata o conceito do tempo presente, isto é: agora!
Nesses termos, podemos dizer que no exato momento que escrevo a letra "d" desta postagem, cai um raio numa ilha da América Central. E, qualquer que seja o ponto de observação, será possível confirmar a sincronicidade dos eventos.

Isso vai contra um dos princípios da relatividade. Para a relatividade o tempo presente é relativo.

Para entender por que os relativistas pensam assim, sugiro assistir ao vídeo (em espanhol), abaixo:

Note: em espanhol a expressão "agora" se diz "ahora":

Vídeo de três minutos:



Buena Diversión  Smile ...

_________________
Gráviton, onde tu estás que não te encontro Razz ?
avatar
Jonas Paulo Negreiros
Físico Profissional
Físico Profissional

Mensagens : 1758
Idade : 63
Localização : Jundiaí, São Paulo - Brasil

http://sbtvd.anadigi.zip.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum