Física2100
Olá visitante!

Por favor, faça login ou crie uma conta se ainda não estiver registado.

Leis e Teorias

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Leis e Teorias

Mensagem por Robson Z. Conti em 3rd Agosto 2015, 20:12

Apesar de, dentro da comunidade acadêmica atual os conceitos “Lei Natural”, “Lei da Física” e “Teoria da Física” serem praticamente indistinguíveis, pode-se perceber, no entanto, diferenças no modo como são divulgadas e percebidas.

Há uma espécie de hierarquia entre o que chamamos de leis e o que chamamos de teorias, de tal forma que o que chamamos de uma lei da Física, mais exatamente uma lei natural, não pode ser desafiada sem um milagre e é algo tido como suficientemente validado para receber este prestigioso título, indesafiável.

Até onde consigo perceber, o que conhecemos como “leis da física” não são efetivamente leis positivas, ou seja, não são produto deste ou daquele pesquisador, não sendo nem mesmo produto de qualquer mente humana. Elas são leis naturais, são regras que antecederam, controlaram e ainda regem o funcionamento do mundo, da realidade portanto, e independem de nossa capacidade de percebê-las ou enunciá-las.

Nestes casos o pesquisador apenas verifica como a natureza funciona e produz um enunciado que descreve com precisão suficiente para produzir previsões. O pesquisador não tem o menor controle sobre a lei que enuncia, produto de observação de regularidades no funcionamento e na estruturação da própria natureza.

Em geral, na fase atual do nosso conhecimento, os enunciados das leis descrevem fenômenos e eventos, sendo fruto de observações e racionalização das mesmas.

Já o também prestigiado título de “teoria” em geral é atribuído a teses que apresentam algum nível de comprovação experimental e de coerência, mas ainda produzindo paradoxos e regiões de sombra e penumbra, de forma que ela pode até estar correta em termos gerais, mas não é completa, além de, em geral, ter teorias concorrentes (o que não ocorre com as teses as quais alçamos à categoria de “leis”).

Aparenta-me que na atualidade, geralmente chamamos de “teorias” às teses que tentam explicar o mecanismo pelo qual são produzidos os efeitos que conhecemos de modo consistente para determinadas situações (e cuja descrição chamamos de “leis”).

Tomando como exemplo a gravitação de Newton, o conceito que ele verificou existir descreve uma lei natural, afirmando que a força gravitacional é mutuamente atrativa e diretamente proporcional às massas e inversamente proporcional às distâncias entre seus centros de massa, apesar de, a rigor, ser também uma teoria, extremamente bem sucedida, aliás.

Já que o grande mestre não formulou hipóteses sobre o mecanismo que produziria a força gravitacional, não havendo contradição entre os efeitos observados e a descrição do fenômeno, a definição dele apenas descreve uma lei natural (não sendo efetivamente uma lei do Newton, portanto), que várias teorias tentaram ou tentam explicar (empenamento de espaço-tempo, grávitons, sombra-empurrão, vórtices e expansão cósmica, dentre outras).

Por melhor que seja uma explicação ou descrição da realidade, a observação da realidade é que define a validade dos modelos que utilizamos para descrevê-la.

Atualmente considero muito difícil, se não impossível, que apenas uma das diversas teorias que tentam descrever o funcionamento do mundo de maneira exclusivista consiga fazê-lo de forma adequada.

No meu humilde ponto de vista um modelo completo acabará utilizando-se de várias ideias, provenientes de modelos atualmente concorrentes ou mesmo considerados obsoletos, como que formando um grande quebra-cabeças, que mostrará um quadro finalmente completo e com mais gente parcialmente correta do que hoje desconfiamos.

Da mesma forma que Einstein, considero que “a natureza é exatamente simples”. E também que ainda não produzimos um modelo simples como ela, de modo a descrevê-la com a simplicidade decorrente desta condição, o que é também mais ou menos o que diz o Stephen Hawking:

Entretanto, se descobrirmos de fato uma teoria completa, ela deverá, ao longo do tempo, ser compreendida, grosso modo, por todos e não apenas por alguns poucos cientistas.”

Os modelos exclusivistas que atualmente temos produziram explicações tão complicadas que mesmo especialistas discordam em questões fundamentais, o que é desproposital para explicar algo se este algo for “exatamente simples”, como pede Einstein.

Em relação a isto, atualmente considero que diversas teorias estão fundamentalmente corretas, mas que falta encontrar uma maneira destas teorias se encaixarem com perfeição para o modelo ficar completo.

Uma parte das pessoas pode passar milênios sem pensar nisto mas, para quem resolveu investigar a realidade, que aparenta-me ser o caso dos frequentadores deste espaço de discussões, o nível de exigência há de ser estratosfericamente maior. Por isso acabo questionando os modelos pois, mesmo que estejam fundamentalmente corretos, por serem claramente incompletos, ainda propiciam dúvidas.

Robson Z. Conti
Membro Ativo
Membro Ativo

Mensagens : 232

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum