Física2100
Olá visitante!

Por favor, faça login ou crie uma conta se ainda não estiver registado.

Participe do fórum, é rápido e fácil

Física2100
Olá visitante!

Por favor, faça login ou crie uma conta se ainda não estiver registado.
Física2100
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

O Homem de Piltdown

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir para baixo

O Homem de Piltdown Empty O Homem de Piltdown

Mensagem por Jonas Paulo Negreiros 11th outubro 2023, 13:09

A FRAUDE DE PILTDOWN FAZ 50 ANOS
[Fará 70 anos em 2023]
Reinaldo José Lopes
free-lance para a Folha
São Paulo, domingo, 30 de novembro de 2003

O Homem de Piltdown Fossil-698609
Charles Dawson e o Homem de Piltdown

Era bom demais para ser verdade. Do alto da testa à ponta da mandíbula protuberante, o fóssil era o sonho de qualquer paleoantropólogo britânico e a confirmação de que a terra de Sua Majestade, afinal, sempre estivera na liderança, até quando se tratava de evolução humana. Não faltavam nem uma cerca-viva (ao lado da qual o crânio fragmentado foi descoberto) e um "taco de críquete" feito com o fêmur de um elefante. Mais inglês do que aquilo, parecia impossível.
O reinado do chamado homem de Piltdown durou mais de quatro décadas, desde a sua "descoberta" em 1911, mas há 50 anos as modernas técnicas de datação finalmente conseguiram desmascarar a fraude mais espetacular e influente (embora não necessariamente a mais bem bolada) da história da paleoantropologia. Curados da mania nacionalista que os levou a engolir a farsa, os britânicos relembram Piltdown desde a semana passada com uma exposição no Museu de História Natural de Londres. Para a maioria dos pesquisadores, a identidade do autor da fraude é caso encerrado -Charles Dawson, embora uma aura de mistério ainda circunde seus métodos, motivações e cúmplices.


Farsa impediu que a descoberta do primeiro hominídeo na África, o Australopithecus, fosse considerada por cientistas da época


Do ponto de vista dos estudos sobre evolução humana dos anos 60 em diante, o homem de Piltdown é uma bobagem tão descarada que é difícil acreditar como alguns dos melhores paleontólogos e antropólogos do planeta foram capazes de engoli-la. Seu "descobridor", Dawson (1864-1916), chegou mesmo a ser apelidado de "o mago de Sussex" (região inglesa onde fica Piltdown) graças ao achado, divulgado oficialmente diante da Sociedade Geológica do Reino Unido, da qual o advogado era membro, em 18 de dezembro de 1912. No entanto, seja lá quem tenha preparado a farsa (para a maioria dos estudiosos do caso, essa pessoa é o próprio Dawson) teve o cuidado de se aproveitar dos preconceitos dos cientistas da época e das lacunas que povoavam o conhecimento sobre evolução humana de então. Basta dizer que só os fósseis mais recentes de hominídeos (a família a que pertencem todos os primatas mais próximos dos humanos modernos que dos grandes macacos) já tinham visto a luz do dia.

Fora da África
Esses primeiros humanos fósseis eram o Homo erectus (ou pitecantropo) de Java, na Indonésia, o Homo neanderthalensis franco-alemão e os primeiros exemplares da humanidade moderna, na época chamados de homens de Cro-Magnon, franceses. O detalhe mais importante dessa lista é que, apesar das sugestões do naturalista britânico e pai da teoria evolutiva Charles Darwin (1809-1882), não havia só um ancestral africano para a humanidade. Tudo muito de acordo com a "ordem natural" das coisas para a Europa imperialista, sem dúvida: o berço eurasiático da civilização também devia ser a fonte da humanidade. A mais poderosa das nações européias, no entanto, ainda estava de fora dessa partilha do mundo pré-histórico: "Embora o Reino Unido tivesse antigas ferramentas de pedra, não havia evidências de quem as pudesse ter construído. Então, surgiu uma expectativa de que os britânicos conseguissem algo para acompanhar esses outros achados", conta o paleoantropólogo Chris Stringer, 55, do Museu de História Natural de Londres e organizador da mostra sobre Piltdown. Além disso, os momentos evolutivos em que os vários traços típicos do Homo sapiens apareceram ainda eram completamente obscuros. Havia quem sustentasse, por exemplo, que desde os primórdios a humanidade desenvolvera cérebros avantajados. Por isso, grande parte do establishment científico britânico sentiu que suas teorias estavam finalmente comprovadas pelos fatos quando Dawson e seu colega Arthur Smith Woodward (1864-1944), curador de zoologia do Museu de História Natural, apresentaram seus "achados". Eram fragmentos cranianos, uma mandíbula, supostas ferramentas rudimentares de pedra e ossos de rinoceronte, hipopótamo e castor, retirados de uma camada de cascalho. Os restos humanos logo ganharam o nome de Eoanthropus dawsoni ("homem da aurora de Dawson"), talvez em homenagem aos "eolitos", como eram chamadas as pedras supostamente trabalhadas que apareceram em Piltdown e eram comuns em sítios pré-históricos de todo o Reino Unido. A grossa calota craniana da criatura tinha dimensões comparáveis às de um humano moderno, mas seu queixo era quase inexistente, e a mandíbula apresentava uma dentição pouco diferente da de um grande macaco moderno. A idade estimada para o E. dawsoni era de 500 mil anos. "Isso se encaixou particularmente com as idéias pré-concebidas de cientistas britânicos como Elliot Smith e Arthur Keith, para quem o cérebro era a marca da humanidade e tinha se tornado grande no início da evolução humana", diz Stringer. "Por isso, eles acolheram os achados de Piltdown." Isso não quer dizer que a oposição tenha inexistido, ressalva o pesquisador: alguns antropólogos americanos, por exemplo, questionaram os fósseis desde o começo, sugerindo que uma mandíbula genuinamente antiga de primata tinha se misturado a um crânio humano mais recente nos estratos do sítio. Rumores de uma farsa também circularam logo. "Mas no Reino Unido a maioria dos principais cientistas o apoiou", conta o paleoantropólogo. No ano seguinte, enquanto os fósseis eram colocados em exposição no museu, Dawson e Woodward voltaram ao trabalho em Sussex, acompanhados pelo paleontólogo e padre jesuíta francês Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), que já tinha auxiliado a dupla na primeira temporada de escavações. Foi o próprio religioso o responsável por encontrar um canino que faltava na mandíbula do espécime original, perto de onde ela aparecera antes. Pouco tempo depois, no entanto, alguma coisa muito errada aconteceu no sítio original. A escavação acabou revelando um fêmur de elefante de aparência das mais suspeitas -trabalhado de forma que lembrava estranhamente um taco de críquete. Aquilo já estava ficando ridículo. "Seja lá quem tenha plantado o taco, a mensagem era clara: estamos em cima de vocês e vamos bagunçar seu sítio", afirma Stringer. Na tentativa de desviar a atenção e o embaraço causados por esse achado, Dawson e Woodward abriram um novo sítio a 3 km do local original, encontrando em 1915 novos fragmentos de ossos humanos e de animais da Era Glacial. O "Mago de Sussex" morreria um ano depois de septicemia, mas o estrago já estava feito. Para muitos, os fósseis do novo sítio representavam a prova de que o E. dawsoni não era um indivíduo aberrante, mas uma espécie genuinamente britânica de hominídeo. Quando o primeiro ancestral humano da África, o Australopithecus africanus de Raymond Dart (1893-1988), foi revelado em 1924, ninguém lhe deu a menor atenção -o cérebro era pequeno demais. Lentamente, no entanto, descobertas em Java e na África começaram a fazer com que a balança pendesse contra Piltdown. Em 1949, o geólogo e paleontólogo Kenneth Oakley conseguiu estimar a idade dos restos com base na taxa de flúor, que ajuda a avaliar idades relativas de dois fósseis do mesmo local: quanto mais antigo o depósito, mais flúor o fóssil acumula. Os restos de Piltdown tinham muito menos do elemento do que outros fósseis de animais na região. Finalmente, em novembro de 1953, uma nova bateria de testes mostrou que o crânio pertencia a um humano moderno, com não mais que mil anos de idade, e que a mandíbula viera de um orangotango. Produtos químicos tinham sido usados para fazer com que ela parecesse fossilizada, e a dentição havia sido alterada para lembrar mais a de um ser humano que a de um grande macaco.

Culpados e cúmplices
Dezenas de pessoas foram acusadas de envolvimento com a fraude, entre elas Teilhard de Chardin e até o criador de Sherlock Holmes, sir Arthur Conan Doyle (1859-1930), que vivia perto de Piltdown e mantinha contato com Dawson. A descoberta de um baú numa torre do Museu de História Natural de Londres levantou fortes suspeitas também contra Martin Hinton (1883-1961), assistente voluntário de Woodward na época dos achados.
Fósseis e ferramentas de pedra guardados no baú tinham a mesma cor amarronzada do material de Piltdown e haviam sido alterados com a mesma técnica usada por quem forjou o E. dawsoni. Hinton teria feito isso para ridicularizar Woodward, que não o ajudara a conseguir financiamento para continuar seu trabalho.
Para Stringer, no entanto, as evidências ainda apontam para Dawson. Depois de sua morte, por exemplo, nada mais foi achado em Piltdown, e uma série de outras "descobertas" suas -sapos fossilizados, uma espécie de roedor extinta e uma estátua romana- se revelaram farsas também. O "mago" tinha, pelo visto, uma queda pela prestidigitação arqueológica.

fonte:
https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/fe3011200301.htm

_________________
Gráviton, onde tu estás que não te encontro Razz ?
Jonas Paulo Negreiros
Jonas Paulo Negreiros
Físico Profissional
Físico Profissional

Mensagens : 4039
Idade : 70
Localização : Jundiaí, São Paulo - Brasil

https://web.archive.org/web/20170721052353/sbtvd.anadigi.zip.net

Ir para o topo Ir para baixo

O Homem de Piltdown Empty Re: O Homem de Piltdown

Mensagem por Jonas Paulo Negreiros 16th fevereiro 2024, 08:55

As fraudes evolucionistas ao longo da história

O vídeo foi produzido por um criacionista. Proselitismo?
O criacionismo é repelido pela ciência oficial, mas própria a ciência foi vítima de várias fraudes perpretadas por proselitistas defensores da evolução.




_________________
Gráviton, onde tu estás que não te encontro Razz ?
Jonas Paulo Negreiros
Jonas Paulo Negreiros
Físico Profissional
Físico Profissional

Mensagens : 4039
Idade : 70
Localização : Jundiaí, São Paulo - Brasil

https://web.archive.org/web/20170721052353/sbtvd.anadigi.zip.net

Ir para o topo Ir para baixo

O Homem de Piltdown Empty Re: O Homem de Piltdown

Mensagem por Jonas Paulo Negreiros 31st março 2024, 14:27

Órgãos Vestigiais



Mais um capítulo da batalha entre criacionistas e evolucionistas Embarassed ...

_________________
Gráviton, onde tu estás que não te encontro Razz ?
Jonas Paulo Negreiros
Jonas Paulo Negreiros
Físico Profissional
Físico Profissional

Mensagens : 4039
Idade : 70
Localização : Jundiaí, São Paulo - Brasil

https://web.archive.org/web/20170721052353/sbtvd.anadigi.zip.net

Ir para o topo Ir para baixo

O Homem de Piltdown Empty Re: O Homem de Piltdown

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Ir para o topo Ir para baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir para o topo

- Tópicos semelhantes

Permissões neste sub-fórum
Não podes responder a tópicos